quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

[Letra e tradução] Nee - ねえ

Título: Nee (ねえ)
Anime: Hiiro no Kakera
Tema: Tema de Abertura 

Nee kimi wa ima dare o omotte iru no?
Ei, em quem você está pensando agora?
Watashi wa kimi o omotte iru yo
Eu estou pensando em você agora

Mado o akeru to kanjita ah yoru no nioi
Quando abri a janela, senti o aroma da noite
Ima dare no kao ga kokoro no naka ni ukanda?
Mesmo agora, de quem será este rosto que permanece no meu coração
Tsumetai ame zubunure ni natteta watashi ni
Quando eu estava encharcado naquela chuva fria...
Kimi dake ga sono te o sashinobete kureta nda
Só você me estendeu a mão 

Naze itsumo kimi nan darou
Por que será que é sempre você
Sasaete kureru hito wa
A pessoa que me apoia?
Sono tabi mata suki ni natte yuku
E nesta jornada, em que eu me apaixono por você

Nee nani shite mo kimi ni aitaku naru yo
Não importa o que eu faça, quero te encontrar
Suki ni narutte kurushiinda ne
Apaixonar-se é doloroso, não é mesmo?
Ureshiku naru no mo setsunaku saseru no mo
Quando eu me sinto feliz, ou quando algo me faz ficar triste
Itsu demo riyuu wa kimi dake da yo
A única razão é sempre você 

Sokkenai taido shite mata kyou ga sugite yuku
Fingi ser fria com você, mas outro dia já chegará
Hontou wa iya ni naru kurai kimi ga ki ni naru no ni
De verdade, não dá mais para esconder. Eu me preocupo com você
Doushite sukina hito ni sunao ni narenaindarou
Por que será que não consigo ser sincera com quem amo?
Itsudemo sabishisa no uragaeshi
Me sinto triste e de cabeça para baixo 

Nee kizuite hoshii yo
Ei, quero que você perceba
Heiki da yo tte tsutaeru toki hodo
Que quando eu digo que estou bem, na verdade...
Naiteru koto
Eu choro
Miageta yozora hoshi ga kireina dake de
Posso olhar o belo céu estrelado
Koko ni kimi ga ite kuretara tte
Se você vir até aqui
Soba ni irareta nara
Se estiver ao meu lado

Nee kimi wa ima dare o omotte iru no?
Ei, em quem você está pensando agora?
Doushite kono kimochi osae kirenai no?
Por que este sentimento não tem fim?

Nee nani shite mo kimi ni aitaku naru yo
Ei, não importa o que eu faça, eu quero te ver
Suki ni narutte kurushii nda ne
Apaixonar-se é doloroso, não é?
Ureshiku naru no mo setsunaku saseru no mo
Quando fico feliz ou quando algo me faz ficar triste
Itsu demo riyuu wa kimi dake da yo
A única razão é sempre você

Ima kimi o omotteru yo
Eu estou pensando em você agora
Nee aitai yo
Ei, eu quero te ver

[Fanfic] Sentido, sentimentos, e sensações (capítulo único)

  “Ano novo, vida nova”.

É isso que todas as pessoas sempre me disseram. Que o Ano Novo é tempo de recomeçar, de ter novas conquistas, oportunidades, dias de felicidade entre tantas outras coisas que podemos ter.

Mas uma coisa é certa: A gente só consegue ser feliz quando se tem alguém que nos ama. Que nos protege e é protegido. Que recebe e dá todo o amor e carinho que há. Que corre riscos sejam eles bons ou ruins a nós mesmos. Que vence e nos faz vencer com classe, e depois de cada vitória arriscada (a gente arrisca nossa própria vida às vezes, mas vale a pena), corre para te abraçar calorosamente, e nesse exato momento te diz que está tudo bem, que tudo já passou, que é para se acalmar porque ele estará sempre ali, para o que der e vier. Todas as horas, minutos e segundos.

Até pouco tempo atrás, eu não sabia quem eu era, quem eram meus ancestrais e nem por que tudo aquilo estava acontecendo comigo. É para isso que eu tive a ajuda de meus Guardiões, que neste curto/longo tempo me apoiaram 24 horas por dia.

Mas, tem alguém, que me fez entender qual o sentido da vida, do amor, do sofrimento, da alegria. Que fez a minha vida se tornar mais colorida e ser o motivo de eu querer ver as folhas de outono caírem no próximo ano. E no próximo, no próximo, e assim por diante, sem nunca me cansar disso. O nome dessa pessoa? Quer saber quem é? Só são necessárias duas palavras para definir essas milhares de palavras que acabei de recitar: Onizaki Takuma.

Isso mesmo! Você pode não acreditar, porque no início eu sempre achei que ele fosse a pessoa mais insuportável e irritante de que se tem notícia (como eu mesma disse, não custa lembrar, só um idiota para reconhecer outro idiota).

Mas depois eu reconheci sua real personalidade: uma pessoa gentil, forte, astuta, protetora. E que faz o possível e o impossível para proteger quem realmente ama. Que só parece ser frio e indiferente porque não expressa seus sentimentos. Não quer que as pessoas vejam seu ponto fraco, seus momentos de fraqueza. Assim, ele aguenta firme sempre, em qualquer obstáculo.

E é por isso que eu amo tanto esse idiota que vive se achando responsável por tudo, metido a herói.
Mas, no fim das contas, ele é mesmo o meu herói. E sabe por quê? Porque como eu já devo ter dito um pouco antes, ele me fez descobrir o sentido da vida, o significado dela. Agora eu sei qual é: A vida só tem sentido quando a gente mesmo dá um pra ela. E a minha só tem significado, quando eu estou perto dele, porque me sinto, mais forte, capaz de qualquer coisa, porque tenho minha pessoa especial ao meu lado. Ele diz que só pode ser ele mesmo quando ele tem a mim, mas nem se quer faz ideia do quanto isso é recíproco, do quanto isso é valioso para mim .
E não tem nada a ver com vidas passadas, promessas feitas por uma princesa ancestral ou coisa do tipo.
Estou dizendo isso por causa da nossa vida agora, e daquela que construiremos daqui para frente, no nosso futuro que se aproxima. E só quando estamos juntos...
Só assim posso me sentir totalmente renovada e pronta para mais um ano que se inicia. É o início de um novo tempo que (não por acaso) já começou...

quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

[Resenha] Hiiro no Kakera (緋色の欠片)

Bem, esse anime praticamente dispensa crítica e demais comentários, de tão perfeito (só vou criticar a avó da Tamaki na segunda temporada, mas isso é história para outra hora). 
Mas, vamos ao que interessa, certo? 
Kasuga Tamaki
A história gira em torno de Kasuga Tamaki, uma estudante do ensino médio que vai passar uma temporada na casa da sua avó materna, conhecida como Baba-sama ou simplesmente "vovó". 
Lá, Tamaki descobre que ela herda o sangue (e a linhagem) da Princesa Tamayori e precisa fazer de tudo para que o mundo esteja a salvo de mãos erradas e poderes obscuros. Para tanto, ela precisa descobrir mais sobre si mesma (sobre a Princesa Tamayori) e seus poderes. Por isso, conta com a ajuda de seus cinco guardiões: Takuma, Mahiro, Yuichi, Ohmi e Shinji 

Com o tempo, eles se tornam amigos e vão se envolvendo cada vez mais com Tamaki, principalmente Takuma, que também é colega de classe da garota. Eles sempre estão atentos a toda e qualquer coisa que possa feri-la, pois a função deles é protegê-la (aliás "nós vamos te proteger" é a frase que mais se escuta no anime) 

O principal objetivo dos guardiões é deter o inimigo (lógico) que é a favor de Logos e querem os artefatos místicos, peças chaves para que a espada mágica Onikirimaru . O grupo rival é formado por Monado Aria (Aria-sama) e seus quatro ajudantes (cúmplices). 
No decorrer da histórias eles (Guardiões) têm de enfrentar muitos obstáculos, mas sempre conseguem dar o seu melhor devido à força e ao estímulo que Tamaki lhes concede. 


Spoiler: Não leia se não gosta de spoilers 

(desculpe, eu necessito falar essas coisas, porque a Tamaki é demais!)

Tamaki faz de tudo para ser uma verdadeira princesa Tamayori e aflorar seus poderes como tal. Aos poucos, os poderes vão começando a "nascer", sempre que ela lê algo em voz alta (lendas referentes à Princesa), mas isso a desgasta frequentemente. Ela também tem o mesmo sonho todos os dias (apesar de até então não saber de quem se trata) e pressente quando o inimigo está por perto toda vez que sente dores de cabeça.  


Bônus: Trailer de Hiiro no Kakera (緋色の欠片) 


(com a música de abertura "Nee")

Amei esse trailer! Maravilhoso, assim como o resto do anime. Apresenta bem o enredo e os personagens envolvidos na trama. 

segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

[Fanfic] Novos começos - Capítulo 8

Seguimos em frente até chegar ao local de destino onde supostamente seria a nossa loja. Ao chegarmos, esperamos alguns minutos alguém aparecer e nos dar um sinal ou coisa parecida (a Marie’s Garden era enorme, maior que a primeira) Nesse meio tempo, Makoto aproveitou para ligar à sua irmã e avisá-la que já havíamos chegado à Londres há algumas (muitas) horas. Ela respondeu que chegaria à capital inglesa dentro de três dias e quando a loja estivesse aberta ela nos visitaria. Segundo Makoto disse, ela iria exigir que houvesse apenas “doces com a melhor qualidade de que se tem notícia” (típico dela), fato que ele garantiu a irmã com firmeza, dizendo a ela que não haveria dúvidas quanto a isso.

A ligação foi rápida e terminou poucos minutos antes de alguém chegar de surpresa para nós. Tratava-se da Srta. Sully, dizendo que teríamos “explicações adicionais” sobre o novo projeto do Henri-sensei e que ele mesmo falaria quais são.
Nós a acompanhamos até o lugar onde se encontrava seu “patrão”.  Fazia tempo que não via Henri-sensei então estava muito feliz por revê-lo, dava pra notar, (estava bem evidente no meu rosto) e os rapazes também estavam contentes, porém só esboçaram uns sorrisos timidamente, agradecidos. Nos cumprimentamos formalmente e agradecemos a oportunidade.
I’m thankful for all of you to be here ele nos disse, com aquele sotaque inglês
The proud is all ours respondemos em coro, deixando-o satisfeito.
Depois ele explicou que queria fazer de lá um lugar especial, com doces originais, para que os ingleses pudessem experimentar novos doces e “expandir seus horizontes” até quando fossem provar algo. Fiz algumas perguntas a respeito dos ingleses e de seus costumes, já que era a primeira vez que eu estava naquele país. Henri-sensei respondeu todas as dúvidas que tínhamos, mas respondeu que era para agirmos normalmente com os clientes como forma de eles se sentirem mais acolhidos. Como último conselho/pedido/aviso ele disse que já era para irmos pensando no que faríamos para a nossa loja e como faríamos. Nós garantimos que daríamos tudo para Marie’s Garden se tornar um sucesso. Aquilo realmente o deixou satisfeito, já que percebi traços de felicidade em sua expressão, apesar de estar querendo parecer sério, com aquela autoridade que todos nós conhecíamos bem.

Logo em seguida, ele e sua secretária (mais conhecida como Srta. Sully)  partiram e nós voltamos ao local onde seria a nossa loja. Nos reunimos em círculo e começamos uma leve discussão sobre nossas ideias.
Kashino Makoto foi o primeiro a se manifestar:
Primeiro temos que decidir que tipo de loja vamos querer criar. Alguém já tem alguma ideia em mente?
Eu respondi de imediato e sem hesitar:
Queria algo acolhedor, para se aproveitar e se reunir com a família e os amigos. Que crie boas memórias, sabe sugeri, já pensando como seria se aquilo se tornasse realidade
Rumi-chan e Hanabusa concordaram com a minha ideia, enquanto Kashino se mantinha sério, mas todo a ouvidos (de todo mundo, tá?)
Verdade. Muitas pessoas se reúnem com suas famílias aqui na Inglaterra apontou Andou-kun.
Também poderia ser um lugar onde agradasse a todos os tipos de pessoas completou a Kana-chan, meiga
Então, basicamente, nosso “conceito” de “lugar aconchegante” era família e amigos
Alguém já sabe um nome para a loja? a Rumi-chan nos questionou, de repente
Que tal “Little Dreams”? eu sugeri
Por que esse nome? todos quiseram saber
É que a cada pequena mordida, nós conseguimos sentir coisas diferentes, e claro ficarmos felizes, mas as sensações parecem sonhos momentâneos, só quando saboreamos algo. Então, que tal?
Gostei a Rumi-chan me disse, e eu me senti agradecida por isso
Bem criativo. De onde tirou essa ideia? perguntou Hanabusa-kun, interessado
Ah, é que isso é basicamente o que sinto quando experimento algo novo... E o nome surgiu do nada (acabei de inventar) mas é que eu fico sonhando mesmo... me expliquei, um pouco sem graça, porque todo mundo ficou me olhando, como se só tivessem entendido de onde havia tirado aquilo só naquele momento.
Ela vive sonhando e comendo todos os dias do ano, lembram? Kashino disse aos nossos amigos, depois de perceber que todos os olhares estavam voltados para mim.
Ao ouvir isso eu lhe disse:
Tinha que ser você pra falar isso, né, Makoto eu fiz cara de emburrada, mas não consegui esconder um sorriso de leve. Percebi que ele também estava sorrindo dessa mesma forma quando me respondeu:
Bom, alguém precisava te falar isso ele me provocou, brincalhão Mas você é uma pâtisserie assim mesmo ele comentou como quem diz “você não tem jeito mesmo, mas está ótimo assim”
Você também é um patissier “assim mesmo” provoquei de volta, com uma piscadela
E o que quer dizer com isso? ele inquiriu, fitando minhas íris castanhas
Parece chocolate amargo... É doce e amargo ao mesmo tempo, mas é do jeito que eu amo falei com uma mistura de alegria e delicadeza na voz segurando a mão dele, com carinho e veneração.

[Comparação] Itazura na Kiss: Anime x Dorama

Aqui apontarei alguns fatos específicos, e compará-los nas duas adaptações (anime/dorama) 
ATENÇÃO: *estou me baseando no dorama da segunda versão japonesa 

Irie Naoki 
  1. No dorama, uma prima de Irie vem passar uns dias na casa da família. Acontece que a prima Rikka sempre gostou de Irie desde a infância/adolescência, e provoca Kotoko com isso, só para causar ciúmes.
    No anime, não há essas cenas, e ciúme de Kotoko fica mais evidente quando Irie conhece Matsumoto Yuuko, uma mulher linda, da mesma faculdade e que também participa do clube de tênis. Entretanto depois de um tempo, Kotoko se entende com Matsumoto 
  2. No dorama, quando Irie vai para a faculdade ele tem um rival (a quem não dá muita bola) chamado Funatsu, que também é um gênio, mas quer superar Naoki a qualquer custo. No anime não mostra essa rivalidade, e entende-se que Irie é o mais inteligente e mais eficiente em tudo
  3. No dorama Irie sai de casa por um tempo, para "se descobrir" e fica morando em um apartamento neste período. O mais estranho a ser apontado é que ele sai de casa em todas as versões de doramas (chinesa, japonesa e coreana) menos no anime.
  4. Tanto no anime quanto no dorama fica evidente que o pai de Irie tem problemas de saúde (provavelmente no coração), mas no dorama Naoki assume o cargo do pai por um tempo, até que ele se recupere, enquanto que no anime isso não acontece, pois só mostra que seu pai teve de ser internado, sem mencionar a sucessão da empresa ou algo do tipo.
  5. Como um de seus projetos para a empresa, Irie cria um jogo de video game chamado Kotorin (inspirado na Kotoko) e fica conhecido por muitos, inclusive otakus. Também não acontece no anime (pergunte ao roteirista do dorama de onde ele tirou isso) 
  6. Em um dos capítulos do dorama, Irie vai visitar a família de Kotoko, e ensina algumas matérias a certas crianças. No anime acontece o contrário; no episódio 25 (especial), Kotoko tem de ensinar os primos de Irie (não obtendo muito sucesso, mas pelo menos tentou)
Kotoko Aihara/Irie 
  1. Quando Kotoko ficou entre os melhores da escola, no anime ela fica na posição 50 e no dorama, 100. 
  2. A família de Kotoko não é mostrada no anime, sendo que apenas sua mãe é mencionada (quando Irie e o pai de Kotoko conversam sobre suas esposas). Já no dorama, é dito que a família por parte da mãe de Kotoko mora no interior e que eles sempre viajam para lá uma vez por ano (*Irie também vai junto e impressiona a todos com sua inteligência). 
  3. Quando Kotoko trabalha no hospital, sua superior direta no anime é Hosoi Sayuri (a enfermeira chefe), mas no dorama sua superior é Shimizu, uma assistente de enfermagem. 
Outros personagens 
  • No anime, Chris veio ao Japão para um encontro matrimonial com Irie, mas no dorama ela vem como uma estudante de intercâmbio inglesa, na faculdade e a "pretendente" de Irie era Sahoko, uma moça rica, filha de um empresário.

sábado, 26 de dezembro de 2015

[Notícia Literária] Carina Rissi lançará novo livro em abril

Gente, temos uma super novidade no mundo literário!
Carina Rissi, a autora mais querida por nós leitores (inclusive eu) divulgou nas redes sociais há exatamente duas horas que está na reta final de "Mentira Perfeita", a continuação de Procura-se um Marido (meu xodó!) [Fiquei felicíssima ao saber da notícia, por sinal]

Reta final! ❤
#‎MentiraPerfeita‬ ‪#‎últimarevisão‬
‪#‎Julia‬&Marcus ‪#‎FamíliaCassani‬, escreveu a autora na rede social Facebook

Questionada sobre o lançamento do livro, e em resposta aos comentários na rede social, Carina afirmou que está previsto para abril do ano que vem e que a personagem Alícia fará "participação especial"

sexta-feira, 25 de dezembro de 2015

Surpresas de Natal (Yumeiro Patissiere OVA)

Eram as últimas vendas de Natal (estava melhor do que eu esperava) e todos os meus amigos já haviam ido embora. Eu era a última a fechar a loja e encerrar aquele dia que tinha sido bem corrido. Queria chegar logo em casa e abraçar meus familiares nesta data tão especial (mesmo que às vezes eles me irritem, principalmente a Natsume), em que se comemora com a família e se deseja tudo que há de melhor; amor, carinho, paz, alegrias, esperanças e muita luz!
Eram 10:30 da noite, quando eu finalmente terminei tudo o que restava, e estava voltando para casa. Mandei uma mensagem à minha mãe:
“Estou quase chegando em casa. Vejo vocês em alguns minutos”
Ela devia estar meio ocupada, já que demorou um tempinho para responder:
“Tudo bem, filha. Estamos te esperando”

Não sabia o porquê, mas tinha a sensação de que havia algo de estranho no ar ou coisa do tipo. Pressentimentos, talvez? Mas porque bem na véspera de Natal?  Dali a uma hora e meia já seria Natal, um outro dia...
Cheguei em casa e toquei a campainha, e tive que tocar mais de uma vez (impressão minha ou não queriam que entrasse logo?) E o mais estranho, é que só a minha mãe me atendeu. Quem conhece a minha família sabe que todo mundo adorava fazer a maior festa na porta. Mas naquele dia...
Mesmo assim, falei, com um sorriso no rosto (que nem dava pra disfarçar a felicidade).
Mãe! Cheguei!
Ela esboçou um sorriso
Entrei na sala,  a passos leves, mas estava bem escuro (estava de noite, ok. Mas a sala também estava toda escura, luzes apagadas, o que estava havendo?) e depois de alguns segundos a luz “voltou” e todos gritaram, vindo na minha direção, e olhando pra mim:
SURPRESA!! Feliz Natal, Ichigo! As vozes eram repletas de energia e alegria, em clima de comemoração, o que me deixou mais feliz ainda. O que me surpreendeu é que não só a minha família estava lá (contando com o tio Hikaru, que fazia tempo que não via), como meus amigos também; Rumi-chan, Kana-chan, Andou-kun e Hanabusa-kun. (achei que iam comemor apenas com seus familiares...) Mas estava sentido falta de alguém... (que acho que nem preciso dizer quem é, né? Dispensa comentários!)
Vi que todos estavam reunidos na sala (cheia de enfeites, por sinal. Ah, dava pra sentir cheiro de comida também, que estava na cozinha) Tão logo todos eles vieram me cumprimentar e me abraçar fortemente. (como queria) e com muito amor. Tanto amor que a minha irmã quase me sufocou (ela me aperta ao invés de me abraçar, acredite se quiser) de tão feliz que estava em me ver.
Estávamos te esperando para a véspera de Natal, filha falou a minha mãe, amorosa como sempre
Não vejo a hora de dar meia noite para abrir os presentes! exclamou a Natsume, com aquele ânimo incomparável dela.
Gostou da surpresa, Ichigo-chan? perguntaram a Rumi e o Hanabusa, que àquela altura, eu achava que já eram “alguma coisa a mais”
Muito! respondi, alegremente para meus amigos, que retribuíram com olhares ternos e satisfeitos, e com um sorriso também.
Sabíamos que iria gostar começou o Andou-kun Fizemos isso porque você deu duro o ano inteiro trabalhando e também porque você é a chave que nos une! Queríamos te agradecer pela amiga que você é e sempre foi para todos nós!
Andou-kun... falei, agradecida, com um suspiro, emocionada.
E pra quem gosta de surpresas... Uma a mais nunca é demais, certo? a Kana-chan comentou, docemente
Claro concordei, feliz, e um pouco ansiosa para saber qual seria a surpresa.
Após dizer isso, ouvi passos leves e largos que vinham da cozinha (eu sei exatamente de onde vêm os sons em casa, mas não sei como), e senti (ou pressenti?) que estavam indo bem na minha direção.
Feliz, Natal uma voz inconfundível me disse. Kashino Makoto
Lógico que eu estava imensamente feliz por ele estar bem ali na minha frente, mas de tão surpresas que eu estava, eu me obriguei a encará-lo por alguns segundos, sem entender como aquilo tudo foi acontecer, e não consegui conter as interrogações:
Makoto... Como... Por que... eu hesitava a cada palavra, pronunciando-as pausadamente, claramente demonstrado que estava pasmada e com o coração a mil (só de encará-lo meu coração já disparava).
Shhh... ele me silenciou Não precisa dizer nada
Mas...
Só vim te desejar Feliz Natal, mas é com todo amor, você sabe! ele disse, sincero O mais importante de tudo neste momento esperado, abençoado, iluminado, dentre muitas outras coisas... ele deu uma pausa e tomou fôlego O mais importante é fazer com que a garota que eu amo seja feliz todos os dias da vida dela! ele falou essa última parte com força, com vontade, com todos os sentimentos que poderiam estar em seu coração naquele momento. Por isso, quando ele me fez essa declaração eu o abracei, tão forte como se fosse quebrá-lo, e me emocionei muito, a ponto de lágrimas rolarem de meu rosto. Mas de outro, para mim, aquilo (e toda a surpresa dos meus amigos também) foi a prova que ainda há pessoas com o espírito de Natal, e que cultivam o amor nesta data tão especial.
Isso ficou ainda mais evidente à meia-noite, quando finalmente comemoramos o Natal. Todos ganhamos e trocamos presentes. A Natsume foi a primeira a rasgar pacotes e mais pacotes de presentes (ela deve ter descontado toda a ansiedade neles, pelo que conheço da minha irmã).
Eu também fui presenteada, mas vamos se dizer que o presente que mais gostei, foi um pouco... Diferente do restante. Quando deu meia-noite, Makoto se agarrou a mim daquela maneira arrepiante que amava. No mesmo instante, me beijou de um jeito sôfrego, que me fazia viajar, esquecer-se de tudo e pensar só em nós mesmos (mesmo estando ali na frente de todos).
Ouvimos comemorações de nossos amigos, que diziam algo como:
Até que enfim se beijaram, hein!
“Eles não sabem nem da metade” pensei. Makoto deve ter pensado a mesma coisa quando me lançou um olhar cúmplice, e piscou para mim, sorrindo maliciosamente.
Mas, como Makoto mesmo disse, o mais importante é estar feliz. Concordo plenamente com ele, e só completo:
“Para mim, o mais valioso era estar ali, com meus amigos e parentes (e claro, com ele). Mal sabem eles (ou sabem? Acho que sim!) que a magia do Natal não está em dar presentes, mas em estar presente”

quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

[Resenha] Koizora(dorama)

Ele é o rio. Ela o céu. Essas comparações combinam perfeitamente com os acontecimentos iniciais do drama.  Koizora, céu do amor em português retrata a história de amor entre Tahara Mika e Sakurai Hiroki, comumente conhecido como Hiro. Demorei muito tempo para me convencer a assistir Koizora, porque já havia lido uma sinopse e a história era realmente triste...Todos que comentaram a respeito tinham ficado tristes ou chorado.
 Mika é uma estudante do ensino médio, com personalidade doce, gentil, sensível,tímida , chorona e apegada à sua família. Assim como suas amigas sonhava em encontrar o amor de sua vida, acreditando que nada da essência contida em seu ser  mudaria. Mal sabia que uma pessoa nunca mais volta a ser a mesma depois de um grande amor, afinal quando se ama parte da  vida de ambos pertence um ao outro.
 Aya(amiga de infância da Mika) se apaixona por Nozomu, melhor amigo de Hiro, então elas vão até a sala dele. Na mesma sala estuda Hiro e nesse breve encontro é possível notar claramente o interesse dele pela mocinha.  Pouco tempo depois a adolescente pede para Hiro entregar um papel para Nozomu, tentando ajudar a amiga . Qual não foi sua surpresa quando Hiro a beijou de repente ...
No início não gostei do par romântico de Mika,pois não simpatizei com o  cabelo tingido dele.  Essa impressão não durou muito graças ao Seto Koji(ator responsável pelo personagem Hiro). Ele soube transmitir as emoções com maestria, além de ser muito fofo.


Mika fica bastante surpresa , porém repudia a atitude do garoto por ele já ter namorada. Ela tenta esquecê-lo saindo com Tatsumi,tática que não obtém sucesso, Hiro chega estragando o momento. Finalmente Mika se rende aos encantos do loiro. Entretanto, como todos sabem ,"nem tudo na vida são flores". O casal enfrenta diversos problemas, tais como armações da ex-namorada de Hiro, gravidez e uma doença.



Atenção: Spoiler,Spoiler,Spoiler!
Para proteger sua amada do sofrimento Hiro decide terminar tudo. Mika, não querendo acabar com o seu relacionamento tenta continuar com Hiro, mas após tanta frieza resolve apagar todas as lembranças referentes a ele, chegando a namorar outro homem. Enquanto isso, Hiro sofre sozinho no hospital. Achei linda a atitude dele, porém quase chorei. Com certeza a Mika entenderia a situação.
Felizmente, no dia 24, data marcada para se encontrarem todo ano algo acontece e a garota descobre o mistério por trás da rígida atitude do amado.



 



















O final do dorama foi extremamente triste e ao mesmo tempo reconfortante .Os papéis se inverteram: Hiro se tornou o céu, devido a sua morte precoce, Mika se tornou o rio, levando em conta a força que obteve ao aprender a conviver com a ausência de Hiro. Diferentemente do dorama Koishite Akuma, gostei do final, apesar de preferir o Hiro vivo.  Enfim, recomendo para todos os fãs da cultura japonesa . Imperdível e comovente ♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥ transmite a mensagem de que o amor verdadeiro modifica as pessoas mostrando o melhor delas... Mesmo que um morra as lembranças ainda permanecerão.
 Beijinhos! Espero que tenham gostado do post.
Comentem se gostaram de Koizora e se tiverem sugestões de posts podem colocar também.

quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

[Fanfic] Novos começos - Capítulo 7

Uma viagem de 17 horas não é pra qualquer um! É praticamente um dia inteiro dentro de um avião. Durante o percurso (e durante várias horas) observei paisagens lindas, que a gente percebe que realmente só se encontra na Europa mesmo... Como todo mundo sabe, é um continente com muitos lugares históricos, que trazem uma sensação de nostalgia, e que a beleza encanta mesmo na vista noturna (aliás, até prefiro, algumas coisas ganham mais brilho a noite).
A rota teve conexão com Paris, o que me trouxe muitas lembranças do período que passei na capital francesa para aprimorar meus estudos como pâtisserie.
Aproveitei a vista ao máximo e troquei algumas palavras com Kashino (mas parecia que ele não estava muito a fim).

Não me lembro de quando foi que o sono chegou a mim, mas caí num sono leve, encostada aos ombros dele. Ele pareceu não ligar, porque também estava cansado, mas sabia que eu estava ali, bem pertinho...
Lembro-me que tive doces sonhos... (ou sonhos com doces?!) Ah, deve ter sido os dois, né?
Seja como for, o que importa é que naquela\ noite eu estava dormindo tão tranquila e profundamente, que (perdi totalmente a noção do tempo) ,não fazia nem ideia que as horas passariam tão mais rápido do que imaginava e só percebi isso quando alguém que estava bem ao meu lado me disse:
Ichigo! Acorda logo garota! Já chegamos a Londres
Makoto, me deixa dormir eu disse ainda sonolenta.
Vem logo! Depois deixo você descansar
A contra gosto concordei com ele apesar do sono. (mas acho nenhum de nós levou isso em consideração, já que todos nós estávamos quebrados, pra não dizer “mortos”, sem exagero nenhum, sério!).
Tá bom, vai eu disse, esfregando os olhos, como quem acaba de acordar (e tinha que ser de madrugada?!).
Todos nós “acordamos” e fomos a um hotel, perto dali (hotéis funcionam bem de manhãzinha, será?). Decidimos que iríamos todos tomar banho e ter mais algumas horas de sono (que iriam fazer falta) e assim se fez. Eu, Kana-chan e Rumi-chan dividimos um quarto enquanto os “Príncipes dos Doces” tinham um só pra eles.

Algumas horas mais tarde...
Acordei bem disposta pontualmente às 9 horas da manhã, mas depois me dei conta que eu era a última a se levantar (como se isso fosse alguma novidade) e que todos já estavam a postos na cozinha para um café da manhã bem reforçado. Dei “bom dia” para meus amigos, que retribuíram alegremente. (bem, quase todos, na verdade)
Até que horas você pretendia dormir?! inquiriu Kashino, curto e grosso.
Eu estava cansada poxa! A gente chegou aqui de madrugada! reclamei e fiz um biquinho, e os meus amigos esboçaram um sorriso ao verem minha expressão.
Você dormiu no avião e ainda teve que dormir mais aqui? Kashino disse, fazendo uma pergunta retórica.
Pronto! O casalzinho já vai discutir desde manhã comentou o Hanabusa-kun, com um sorriso malicioso, olhando pra mim e Makoto e todos eles caíram na gargalhada nos fazendo corar (bastante, por sinal).
Gente, vamos mudar de assunto e tomar café logo né? sugeriu a Rumi-chan, tranquila
Todos nós concordamos.
O que tem pra comer hoje? perguntei por perguntar
Não tá vendo? Tem pães fresquinhos e um café bem forte pra você acordar Makoto me provou, daquele jeito sádico, que só se encontra na Família Kashino (se você conhece a irmã dele então muito provavelmente sabe do que eu estou falando).
foi tudo que respondi a ele
Comi rapidamente, mas saboreando cada mordida e cada gole, como sempre fazia. Estava com fome mesmo. Mas também, depois de passar 17 horas num avião e comendo só pão com manteiga (que nem era tão gostoso assim) qualquer coisa (nem que fosse pão fresco) estava de ótimo tamanho. Ah, e eu realmente despertei depois daquele café...
Meus amigos também terminaram de comer logo depois, até que Andou disse:
É melhor nos apressarmos
É verdade! Senão nos atrasaremos! Kashino falou, como se já tivesse contando o tempo.
Pra onde vamos mesmo? eu, a distraída, perguntei, olhando para todos, que me fitaram, ao mesmo tempo em que trocavam olhares entre si, como se eu fosse a única que não se lembrava o que tinha de importante naquele dia
Lembrado evento que vai ter? Vamos receber surpresas do Henri-sensei desde o primeiro dia, ou seja, hoje explicou Hanabusa, com a voz doce
Ah... falei, como quem estava começando a se lembrar
Vamos logo! A Marie’s Garden nos espera! exclamou Makoto contente, puxando-me pelo braço, e nós o seguimos igualmente alegres.

terça-feira, 22 de dezembro de 2015

[Fanfic] Novos Começos - Capítulo 6

Eu e Makoto finalmente estávamos na reta final de nossos estudos. Foram apenas mais alguns dias para revisarmos o conteúdo que vimos durante semanas, mas ele me disse que na última semana era para eu descansar bastante, pois logo seria a nossa viagem à Europa. Segui o conselho dele e resolvi fazer algo mais light para passar o tempo, geralmente programas de família, para desde já compensar o tempo que estaria ausente, longe de casa.

Às vésperas da partida para Londres arrumei as minhas malas com todos os itens necessários; roupas de inverno, blusas, calças, camisetas e até mesmo alguns vestidos (vai que o tempo muda e decide sair sol bem no inverno... nunca se sabe). Em uma bolsa pequena coloquei o meu passaporte e meu celular. Tudo pronto!

As horas passam, e finalmente chega o dia de partir... (24 horas são bem pouco, de fato).
Todos nós estávamos muito ansiosos com a ida à Inglaterra, e eu meus amigos combinamos de nos encontrarmos no aeroporto depois de despedirmos de nossas famílias. Andou decidiu que iria passar um tempo a mais na Yumetsuki e ajudar o quanto pudesse. Hanabusa por sua vez, resolveu despedir-se de sua mãe auxiliando na decoração com flores de Ikebana e contemplar um pouco dessa arte milenar. Kashino ligou no celular de sua (sádica/doce) irmã para avisá-la que partiríamos logo. Ela respondeu dizendo que era para ligar novamente quando chegássemos ao nosso destino, e que dentro de alguns dias ela também chegaria à Londres, como parte de seu estudo em Medicina.
Quanto a mim... Dei um último abraço bem apertado em minha família, com aquele sentimento de alegria por estar conquistando algo, mas que deixa saudade mesmo antes de partir. Desejei tudo de bom a eles e boa sorte a Natsume nos próximos concursos de piano que surgissem; aconselhei que fizesse seu melhor sempre, independente dos resultados, e minha irmãzinha me desejou o mesmo. Nos abraçamos um pouco mais e lágrimas escorreram de nossos rostos.
Aproveitamos aquele nosso momento família ao máximo e depois de nos acalmarmos um pouco, eu finalmente me despedi com palavras:
Tenho que ir, mas eu volto. Amo muito vocês!
Nós também te amamos muito! os ouvi exclamarem enquanto eu saía de casa, deixando a porta encostada. Com a porta entreaberta, eu li a expressão de meus parentes uma última vez (agora era a última mesmo). Era óbvio que nenhum de nós queria que eu partisse, mesmo que fosse apenas por algum tempo. Mas de alguma forma eu senti que minha família tinha acabado de me dar forças e esperança e por isso, poderia seguir em frente com toda a segurança e tranquilidade.

Para não me atrasar (eu sempre me atrasava) ao menos daquela vez, peguei um táxi para ir ao aeroporto. Milagrosamente, eu cheguei na hora combinada com meus amigos, e até eles se surpreenderam. Vendo a surpresa que tinham no olhar (até mesmo a dele), Kashino foi o primeiro a se pronunciar:
Ela tomou jeito nesses últimos tempos
Suspirei. “Tinha que ser você, Makoto”, pensei.
Por que diz isso? quis saber Andou
Bem, eu tive que ensinar inglês à Ichigo e por isso, ela tinha que ser pontual com os compromissos ele se explicou, tentando soar indiferente.
Ah, agora tá explicado Andou esboçou um sorriso.
Agora ela tem que melhorar essa cara de cansada comentou Chocolat, a companheira de Kashino
Ei, olha o que fala da Ichigo! Ela só cansou por causa das malas, tá? Mas estava bem disposta! rebateu Vanilla, meu Espírito dos Doces.
Deixa, Vanilla, ela é igual ao parceiro! Não deixa passar nada comentei
Nesse momento, Makoto me olhou de canto revirando olhar para mim, mas no fim, ele falou, com o rosto um pouco, daquele jeito dele que aprendi a gostar:
Bem, acho que você aprendeu alguma coisa sobre mim, Ichigo.
Ainda tínhamos algum tempinho de sobra quando ouvi passos (que não me eram estranhos, de algum modo) até que uma voz familiar disse:
Olá, Ichigo-chan! a voz soava alegremente
Vire-me para ver de quem se tratava e saber se eu estava realmente certa (eu reconheço aquela voz de longe) e me deparei com duas amigas minhas: Kato Rumi (como imaginava, aliás, sabia) e Koizumi Kanako
Rumi-chan! Kana-chan! exclamei, chegando mais perto delas Que surpresa boa ver vocês aqui!
Nós também estamos felizes em te ver, Ichigo-chan respondeu a Kana-chan, tímida como sempre Aliás, estamos felizes em revê-los todos vocês também ela completou, olhando na direção dos rapazes, e em resposta eles abriram um sorriso tímido, sem dizer nada.
Na verdade, a alegria toda da Kana-chan tem um motivo especial... começou a Rumi-chan, deixando nossa amiga corada.
Vamos mudar de assunto sugeriu Andou O que as trazem aqui?
Não viram as malas? perguntou a Rumi-chan, presunçosa, apontando para as malas.
Isso quer dizer que... comecei
Nós também vamos para Londres! falaram as duas garotas em uma só voz
O quê??? gritamos nós quatro totalmente surpresos com a notícia
Calma gente! Vou explicar melhor   a Rumi-chan começou, e todos nós tínhamos nossos  olhares voltados para ela
Ficamos sabendo do projeto do Henri-sensei, porque não se fala em outra coisa por aqui. De qualquer maneira queríamos fazer a viagem com vocês, mas não sabíamos como. Foi então que falei com Henri-sensei, o próprio, perguntando se havia algum jeito de nos ajudar. Ele disse que poderíamos ser “ajudantes” na loja de vocês, porque ele quer que a Marie’s Garden seja um sucesso, e quanto mais gente trabalhando melhor. E nos deu a oportunidade de viajar também! Genial, não?
Muito! todos nós concordamos
Gente, não quero ser estraga prazeres, mas é melhor pegarmos nossos passaportes e irmos logo, porque partiremos daqui a alguns minutos avisou Andou.
Fomos de pressa ao gabinete de atendimento, mostramos nossos passaportes (eu tive alguns sufocos até achar o meu, mas tudo bem) e fizemos nossos checkins.
Minutos depois nós entramos no avião, assim como Andou tinha nos avisado um pouco antes. Decidi me sentar ao lado da janela, para observar a paisagem. Makoto sentou-me ao meu lado, e estava sério, mas parecia calmo. Kana-chan não desperdiçou a oportunidade para se aproximar de Andou (pelo menos no avião) e Rumi-chan e Hanabusa estavam entretidos em uma conversa de amigos, falando sobre decorações e doces com flores (a especialidade dele, para variar, mas os dois compartilhavam o mesmo gosto...).

Mas, o mais importante de tudo isso (que todos sabíamos e tínhamos plena consciência disso) é que nós estávamos indo rumo ao nosso destino, em direção ao nosso futuro...